22 abril, 2022

Manuscrito: 2 Cartas a Braz Burity (Caso Urbino de Freitas)

1 - Carta manuscrita em papel timbrado do Advogado Botto de Carvalho a Joaquim Madureira (Braz Burity), datada de Lisboa 10 de Abril de 1935. [Dr. Joaquim Madureira, meu Amigo: Eu creio que os mistérios são quasi todos de pura invenção nossa. Assim aqueles que, acerca do Correio de Lisboa, o atormentam. Do Frederico só lhe sei dizer que se não passa um dia em que ele me não fale em escrever-lhe mas.... nada a fazer, o que é na vida o pior para que se faça qualquer coisa. Deve ser a razão do Mário Monteiro (Advogado) a quem ontem falei, dou a notícia de que está agindo, como se vê das colunas do Diário de Lisboa. De mim dir-lhe-ei que tive tentações de lhe não responder só para que fosse a Amelinha a fazê-lo. Mas  a Amelinha,  a ingrata, bateu as asas e deixou o ninho. Depois .... eu detesto os mistérios. Por isso arripiado com a prosa 100% comercial do seu amigo Caldevila, cá estou a rabiscar uns dizeres para o Rádio Club e a meter nesta carta um grande abraço para si, do apaixonado amigo da sua Méla e seu muito admirador amigo].

2 - Carta manuscrita de 2 páginas em papel timbrado, do Advogado Mário Monteiro a Joaquim Madureira (Braz Burity) datada de Lisboa, 21-09-1934. [Prezadíssimo confrade Braz Burity, da minha maior admiração: Releve-me a impertinência desta carta, mas escrevo-a na certeza de que V. Exª ma perdoará, visto tratar-se de um assunto interessante e de um grande e de um grande favor que lhe ficarei devendo. Disseram-me há dias que dentro dos dois meses últimos houve alguém que escreveu no Primeiro de Janeiro sobre a inocência de Urbino de Freitas. Como sabe pelos jornais, estou encarregado da revisão do respectivo processo e desejava conhecer o mais possível, quanto se têm escrito sobre o caso. Se V. Ex.ª me indicar a data do jornal em que se fez a referida publicação e o nome do seu autor, é favor que, desde já, lhe agradece o seu sincero admirador].

€ 140,00