20 outubro, 2018

Faria, António Machado de - O Mestre de Campo João Fernandes Vieira, Herói da Restauração de Pernanbuco

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In-4.º de XXXV-290-III págs. Br. Ilustrado com estampas fora do texto. [Obra com a biografia de João Fernandes Vieira (dito o Castrioto Lusitano) nascido em 1602 na Ilha da Madeira, numa das freguesias do seu concelho. Morreu em Olinda, Brasil, em 1681. Viajou para o Brasil com 11 anos de idade e começou a sua carreira militar em 1630. Durante a ocupação holandesa foi feito capitão (Ritmeester) de uma companhia de cavalaria holandesa e membro da assembleia legislativa que o Conde de Nassau convocou em 1640. A guerra generalizada levou-o também à prisão. Em 1642 começaram as conversações para a sublevação e em 1645 tomou armas com os restantes moradores de quatro capitanias brasileiras que aclamaram a liberdade. Durante a ocupação holandesa subsídiou os seus exércitos próprios e os da coroa, sem ter sido compensado monetariamente na totalidade. A sua heróica acção militar no Brasil estendeu-se a Angola, onde chegou com 2 navios e 200 homens em socorro da cidade de Luanda. O Papa Inocêncio X, pela sua defesa da religião católica, conferiu-lhe o título de «Restaurador da Religião Católica no Brasil». Vieira era dono de 3 engenhos de açúcar e de 1500 escravos, adquirindo uma grande fortuna e muitas benesses régias. Na sua descendência contam-se filhos ilegítimos de “uma mulher que tinha raça do gentio da Guiné”. No frontispício gravado por Clemente Billingue na obra seiscentista 'Castrioto Lusitano' - reproduzido aqui em fac-simile - figura o retrato do herói e o seu brasão com as armas de Dornelas cortadas de Moniz, que era o selo que utilizava]. Bom exemplar.
€ 42,00