16 outubro, 2020

Manuscrito: Carta de Alfredo Brochado

Carta manuscrita de 4 páginas e sobrescrito [carimbo ilegível 1927 ?]. de Alfredo Brochado a Maria Emília Duarte Costa. [Escrevo-te à tarde. Tenho muitas saudades tuas. Não calculas o meu estado de tristeza por me ver longe de ti. São os teus olhos sempre a chamar-me. Não compreendo como estou assim distante de ti. Mas parte do meu estado de melancola vem-me desta paisagem dulcíssima e suave que me estende os braços para eu adormecer. Começam os ralos a cantar. Ouço da janela o coaxar das râs.... É uma tarde sem um bafo; suave, pura, cansada...]
€ 90,00